Informações: (83) 2101-1213 | (83) 2101-1057
Políticas curriculares: impactos na pesquisa e nas práticas docentes

V Colóquio Brasileiro Educação
na Sociedade Contemporânea

24a27
de outubro de 2016


CAMPUS DA UFCG CAMPINA GRANDE-PB

Minicursos

Abaixo encontra-se a lista dos minicursos do V COBESC. Após confirmar sua inscrição você poderá selecionar um para participar.

MINICURSOS EMENTAS RESPONSÁVEIS
MC 01 – Pedagogia da brincadeira na Educação Infantil e anos iniciais do Ensino Fundamental

Teoria e prática da brincadeira na Educação Infantil e anos iniciais do ensino fundamental. Confecção e utilização de materiais pedagógicos para as creches e escolas de ensino fundamental.

José Luiz Ferreira e Guilherme Lima de Arruda

MC 02 – Do Ato ao Hábito de ler: proposições de leitura numa perspectiva curricular freireana

A leitura compreendida por Paulo Freire, sobretudo na obra: “A Importância do ato de ler” envolve os sentidos e a própria compreensão do homem como sujeito cultural que constrói e reconstrói significados de mundo. O que Paulo Freire considera leitura crítica? Como a leitura do homem/mundo são entendidas? O que ele entende por alfabetização? A partir dessa problematização, o mini curso objetiva adentrar na perspectiva freireana de leitura, no sentido de deslindar tal prática para além dos moldes de abstração curricular, ainda presentes em práticas escolares.

Karla Spinelli e Isolda Fragoso

MC 03 – Teatro do Oprimido e Educação

O Teatro do Oprimido é o primeiro Método Teatral elaborado no hemisfério sul (Brasil e América Latina) que é utilizado em mais de setenta países dos cinco continentes. Não se trata apenas de um estilo ou gênero teatral, é a linguagem humana por excelência, que existe dentro de cada um de nós: é o teatro essencial, somos os únicos habitantes da Terra capazes de criar metáforas e de sermos artistas. Somos atores e ao mesmo tempo, espectadores dos nossos atos. Utilizando-se das técnicas do TO (Teatro do Oprimido), o NETO-PB (Núcleo de Estudos e Práticas do Teatro do Oprimido da Paraíba) despertar nas pessoas o seu desenvolvimento artístico. Através da palavra da imagem do som e sinestesia. O objetivo não é o de transforma todo cidadão em grandes artistas mais sim de permitir que todos tenham a oportunidade de encenar, cantar, dançar, escrever uma poesia, dando-lhes a oportunidade de se reinventar e estruturar o mundo a partir da sua própria ótica.

Evaldo Batista dos Santos

MC 04 – Multiletramentos na educação

Novos letramentos e multiletramentos (conceito e características). Pedagogia dos Multiletramentos. Multiletramentos: como funcionam e como trabalhar na sala de aula.

Rossana Delmar de Lima Arvoverde, Cristiani Pereira de Morais Gonzalez e Maraiza de Moraes Valentim Araújo

MC 05 – A cartografia escolar no ensino de geografia na educação básica

Conceitos de Cartografia. A história da Cartografia. A Cartografia Escolar: limites e possibilidades. O mapa no ensino de Geografia. Procedimentos metodológicos para a leitura e interpretação de mapas. Os fundamentos teórico-metodológicos e práticos do ensino/aprendizagem do mapa na Educação Básica. A Cartografia Tátil no ensino/aprendizagem de Geografia para portadores de deficiência visual.

Paulo Sérgio Cunha Farias, Sonia Maria de Lira e alunos extensionistas do GPPEC/Geografia/UFCG

MC 06 – Explorando conhecimentos cognitivos e matemáticos por meio dos materiais didáticos “Peças Retangulares”, “Peças Poligonais” e “Blocos Lógicos”

Este minicurso tem como objetivo explorar alguns conhecimentos cognitivos e matemáticos por meio dos materiais didáticos convencionais “Peças Retangulares”, “Peças Poligonais” e “Blocos Lógicos”, em que se destacam as funções: “modelo didático”; “conteúdo relacional”; “conteúdo informacional”; “lúdica” e “acessibilidade”. Na proposta teórica-prática a ser desenvolvida consta da seguinte programação: – Algumas considerações iniciais teóricas e metodológicas; – Construções livres; – Atividade/jogos que trabalham os aspectos cognitivos da observação, comparação, ordenação, classificação, visualização e outros que contribuem para a formação do pensamento; – Atividades/jogos que constam de um trabalho mais sistemático que exploram elementos presentes nos quatro blocos de conteúdos propostos pelos PCN de Matemática para os dois níveis iniciais de escolaridade; – Considerações finais; – Considerações finais. Portanto, esperamos que esse minicurso seja uma experiência enriquecedora para alunos dos Cursos de Licenciatura em Pedagogia e Matemática, como também, contribua aos profissionais que lidam com a Educação Infantil e com o Ensino Fundamental.

Alexsandra Felix de Brito, Raiane Thais Barboza da Costa Paulino e Roberta Hilário de Andrade Lira

MC 07 – Materiais curriculares, recursos didáticos e ensino de Geografia

O presente minicurso tem por objetivo desenvolver materiais curriculares e recursos didáticos, debater questões conceituais e teórico-práticas sobre a geografia escolar.

Maria Soares

MC 08 – A mediação da leitura de narrativas visuais e o papel das perguntas de compreensão nesse processo

As narrativas visuais e suas características. A mediação da leitura das narrativas por imagens na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental. As perguntas de compreensão e seu papel na atribuição de sentidos às narrativas visuais.

Fabíola Cordeiro de Vasconcelos
Ana Thaise da Silva
Wanessa Maciel Ferreira da Silva

MC 09 – Educação e Design: empoderandoo(a)s professore(a)s na construção do seu material didático

O presente minicurso tem por objetivo articular o design com as atividades didático-pedagógicas reforçando linhas de pesquisa e extensão sobre métodos e recursos educacionais; desmistificar a atividade de design entre professores e alunos da escola pública; estimular a recuperação do patrimônio cultural do nordeste e o uso de materiais recicláveis e reutilizáveis.

Erika Cabral Guimarães e Luiz Eduardo Cid

MC 10 – MST e a Educação coletiva pelo trabalho

Este minicurso pretende apresentar e debater com os participantes os princípios pedagógicos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Devido seu destacado papel político e social, no cenário político nacional em geral e no campo em particular, o estudo de suas formulações e atuação é parte do conhecimento sobre a educação brasileira, portanto, indispensável no processo de formação e capacitação de estudantes e trabalhadores da educação. Para evitar tomar o MST e sua pedagogia de forma idílica, romântica, é preciso conhecer quais são suas influências teóricas, seu programa político e quais são os limites e possibilidades de sua pedagogia, em uma sociedade marcada pela separação entre teoria e prática, concentração fundiária e violência no campo. Além das contradições estruturais da sociedade brasileira, nos últimos anos a educação no país vem passando por significativo desmonte, com o fechamento de milhares de escolas, avanço da privatização, precarização e intensificação da criminalização de seus movimentos reivindicatórios. Esse desmonte é particularmente sentido nas escolas do campo, oque obriga os educadores como um todo a se voltar para a natureza das políticas governamentais em curso, mas também para as propostas alternativas apresentadas. Por fim, pretendemos destacar a importância da assimilação que o MST faz dos teóricos que concebem a educação pelo trabalho como forma emancipatória, nessa dialética relação entre cultura, formação e reprodução humanas. Por outro lado, discutiremos do ponto de vista teórico, mas também através da observação de exemplos concretos que ocorrem nos Assentamentos e Acampamentos Rurais, como o processo educativo diferenciado do MST, em última instância, se limita à sociabilidade capitalista – muito embora com lições indispensáveis para construção de uma nova sociedade, baseada em outras formas de produção e de relações sociais.

Eduardo Martins de Brito

MC 11 – Gêneros Textuais no Contexto de Ensino Fundamental

Ementa: Noção teórica sobre gêneros textuais/discursivos. Ensino de gêneros no Ensino Fundamental. Sequência didática como instrumento de ensino.
Objetivo: Discutir a problemática do Ensino de gêneros textuais na Educação Básica, subsidiando os docentes a fazerem uso da sequência didática como instrumento para o Ensino de Língua Portuguesa.

Maria de Fátima Alves (UFCG) e Roziane Marinho Ribeiro (UFCG)

MC 12 – Educação, cultura e religiões de matriz afroameríndia no Brasil

Esse minicurso pretende apresentar os principais aspectos das religiões de matriz afroameríndia – Candomblé, Umbanda e Jurema Sagrada – e como esses aspectos são refletidos no cotidiano do povo brasileiro e traduzidos pelas leis 10.639/2003 e 11.645/2008.

Jóyce Kaynara Gomes e Gilliard de Oliveira Justino

MC 13 – Educação, Direito e Cidadania

O conceito de cidadania e o papel do Estado na educação. Política educacional no plano dos Tratados e Convenções Internacionais. A mudança de paradigma na educação pós Constituição Federal de 1988 e a organização dos sistemas de ensino. Princípios Constitucionais e os objetivos da educação. A aplicação obrigatória dos recursos públicos na educação. Educação como direito fundamental de natureza social e o acesso igualitário de todos à educação.

Ricardo Wagner de Lima

MC 14 – Das Políticas Curriculares aos Processos de Alfabetização e Letramento em Educação de Jovens e Adultos

O minicurso objetiva contribuir com a ampliação e apropriação de repertório intelectual, social e humano da formação docente, especificamente no que diz respeito ao campo das políticas curriculares e aos processos de alfabetização e letramento em EJA. Compreendemos que a formação deve contribuir para que os educadores desenvolvam uma prática que reconheça e utilize os saberes e as histórias de vida dos alunos, que potencializem suas reflexões críticas e suas inserções sociais e que proporcionem vivências capazes de aguçar a capacidade investigativa, reconhecendo-os em um lugar que não o do fracasso escolar. Embasado nos estudos de Freire (1988), Senna (2007, 2012), Haddad (2000), Amorim (2006), dentre outros, o minicurso parte de três eixos: 1) A especificidade dessa modalidade de Educação e seus sujeitos; 2) A formação do educador de jovens e adultos – o saber fazer do educador nas práticas de EJA; 3) A alfabetização e o Letramento em EJA. A proposta metodológica está pautada na leitura e discussão de textos selecionados; debates, discussões coletivas e reflexões a partir das leituras realizadas; relato de experiências vivenciadas nas turmas de EJA e análise crítica da prática pedagógica da EJA a partir das teorias estudadas.

Profª. Drª. Valdecy Margarida da Silva (UEPB)
Profª. Drª. Elizabete Carlos do Vale (UEPB)
Profª. Drª. Maria José Guerra (UEPB)